GrupoSafety Segurança e Protecção Contra Incêndios


FAQ

Áreas de perguntas frequentes.

A manutenção é um dos aspectos mais importantes dos extintores. A manutenção é obrigatória por lei e deve ser feita anualmente ou sempre que o extintor for utilizado.

Além de ser obrigatória, a manutenção tem de ser efetuada por empresas especializadas e certificadas segundo a norma NP 4413.

Os extintores devem conter uma etiqueta de manutençãoo onde deverá estar as seguintes informações: ano e mês do carregamento do extintor, ano e mês da revisão e, ainda, ano e mês de validade, apés o qual é necessário novo processo de manutenção.

Para poderem efetuar o serviço de manutenção e extintores, as empresas terão de estar registadas para esta atividade na ANPC - Autoridade Nacional de Proteção Civil.

Os extintores são reservatórios cilíndricos feitos de metal que contém no interior produtos próprios para o combate de incêndios, como água, pó químico, dióxido de carbono ou espuma. Além do produto utilizado para proceder à extinção do incêndio, dentro do extintor existe geralmente um pequeno reservatório que contém uma substância comprimida, normalmente o azoto. Quando se aciona o manipulo do extintor, o azoto è libertado no interior do reservatório que contém o produto extintor. Assim que o azoto ocupa o reservatório maior, os produtos utilizados para proceder à extinção do incêndio são expelidos para o exterior através da mangueira de descarga do extintor.

Fonte: Segurança Online


  • A manutenção do carretel deve ser feita por empresa com técnicos qualificados e devidamente registada na Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).
  • A manutenção anual deve incluir a verificação do:
    • Fluxo e pressão de água;
    • Funcionamento da válvula de corte;
    • Estado geral da mangueira, do orientador e das tubagens de abastecimento de água ou outro material de extinção;
    • Eixo e tambor;
    • Mecanismo de abertura e fecho da agulheta;
  • Realizar, de 5 em 5 anos, prova de pressão hidráulica à mangueira.

O carretel deve ser instalado por empresas com técnicos qualificados e devidamente registada na Autoridade Nacional de Proteção Civil.

O carretel é regra geral ligado à rede pública de abastecimento de água, uma vez que na maior parte dos casos utiliza a água como agente extintor. No entanto, este poderá também, em casos especiais, ser alimentado por espuma. O carretel é constituído pelos seguintes elementos:

Fonte de Abastecimento: regra geral a fonte de abastecimento de água dos carretéis de incêndio à a rede pública. No entanto, nos casos em que o abastecimento público não consegue garantir as condições de pressão e caudal necessárias, o abastecimento de água á assegurado por um depósito privativo associado a um sistema de pressurização.

Mangueira: A mangueira permite que a água utilizada no combate às chamas possa ser transportada atá ao local do incêndio.

Tambor: O tambor permite arrumar a mangueira para que esta possa ser guardada, ocupando o menor espaço possível.

Agulheta: É o componente que está montado na extremidade da mangueira e que serve para controlar a forma como a água é utilizada no combate ao incêndio. Além de permitir direcionar a água, ou espuma, oferece também a possibilidade de controlar a forma como a água é libertada sobre as chamas, se em forma de jato ou se pulverizada.

  • Por empresas registadas na Autoridade Nacional de Proteçãoo Civil (ANPC).
  • Por Técnicos certificados para Manutenção Sistemas Extinção.
  • Manutenção deve ser efectuada de acordo com a Nota Técnica 17 da Autoridade Protecção Civil.
  • Por empresas com técnicos qualificados e registadas na Autoridade Nacional de Proteçãoo Civil (ANPC).
  • Aconselhados em espaços em que a utilização de sistemas de extinção automática por água não é indicada.

Os sistemas de extinção automática por agentes gasosos podem ser accionados manual ou automaticamente. Neste último caso os sistemas são controlados por Sistemas Automáticos de Deteção de Incêndios (SADI). Estes sistemas são constituídos essencialmente por detetores capazes de identificar uma situação de incêndio, por uma Central de Incêndio que analisa os sinais provenientes dos detetores e procede aos comandos necessários, e por alarmes sonoros que permitem avisar os ocupantes do espaço acerca da situação de incêndio. Os detetores são instalados no espaço a proteger e quando identificam a ocorrência de um incêndio, enviam um sinal para a Central de Incêndio. Esta aciona o sistema de extinção automática, sendo então iniciada a libertação do agente extintor gasoso nas áreas afetadas.

Normalmente os sistemas de extinção de incêndios por agentes gasosos são constituídos pelos seguintes elementos:

Sistema de Armazenamento: é constituído pelos recipientes que contém o agente extintor e pelas válvulas que asseguram que a descarga deste acontece dentro dos limites estipulados.

Tubagens e Acessórios: fazem a ligação entre o sistema de armazenamento e o compartimento que necessita de proteção. São constituídos por materiais não combustíveis.

Difusores: descarregam e distribuem o agente extintor no compartimento que protegem.

Sistema de detecção, actuação e controlo: pode ser manual ou automático. Tem como função a deteção do incêndio e a atuação dos mecanismos de extinção.