Serviços

A sinalética de incêndio é uma medida de segurança indispensável para que em situações de emergência seja mais fácil a evacuação de um edifício e a localização dos equipamentos de combate às chamas.

Assim, é fundamental que em edifícios que possuem um grande movimento de pessoas (edíficios públicos, empresas, fábricas, etc.) haja uma sinalização adequada para esse mesmo.

 

Havendo 4 tipos de Sinalização contra Incêndio:

            Alerta: sinaliza materiais inflamáveis e explosivos;

            Localização de Equipamentos: sinaliza locais onde se encontram os equipamentos de deteção e combate às chamas;

            Orientação e Salvamento: sinaliza rotas de evacuação e saídas do edifício em questão;

            Proibição: proíbe certos comportamentos perigosos.

 

Pode ainda surgir sinalização complementar como Riscos em Rotas de Saída que sinaliza obstáculos ao longo dessa mesma como degraus, pilares, etc. .




Os sistemas de extinção automáticas de incêndios são bastante complexos e destinam-se a ser utilizados em locais cuja utilização da água provocará danos irreversíveis.


Por ser um sistema complexo e estar armazenado sob pressão, deverá ser inspecionado a fundo por pessoal competente e autorizado e sob a direção de uma entidade registada e autorizada pela ANEPC (Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil) para o efeito.


A finalidade de uma inspeção periódica é a de assegurar que o sistema se encontre, em qualquer momento em perfeitas condições de funcionamento, identificado problemas devidos ao desgaste, danos acidentais, manipulação não autorizada, alterações das configurações dos locais a proteger, eventuais aberturas criadas nestes locais não previstas no projeto inicial e em geral a identificar toda e qualquer situação que afete negativamente o rendimento do sistema de proteção contra incêndios.


Deve ser implementada uma rotina de inspeção e assistência técnica em conformidade com a Nota Técnica 17 da ANEPC. Esta rotina destina-se a assegurar o funcionamento correto e continuado do sistema em condições normais. 


O GrupoSAFETY®, além de ser uma entidade registada e autorizada pela ANEPC dispõe de um leque de técnicos formados para a realização manutenções nestes sistemas, sejam estas de ambito preventivo ou corretivo. 





Um sistema automático de deteção de incêndios (SADI) é uma instalação técnica capaz de registar um princípio de incêndio, sem a intervenção humana, transmitir as informações correspondentes a uma central de sinalização e comando (CDI – central de deteção de incêndios), dar o alarme automaticamente, quer local e restrito, quer geral, quer à distância (alerta) e acionar todos os comandos (imediatos ou temporizados) necessários à segurança contra incêndios dos ocupantes e do edifício onde está instalado: fechar portas resistente ao fogo, comandar elevadores, comandar registos corta-fogo, comandar sistemas automáticos de extinção de incêndios (SAEI), comandar ventiladores, comandar energia elétrica, desbloquear retentores, etc. 


"Para assegurar o funcionamento correto e continuado do sistema, este deve ser regularmente inspecionado e assistido. As providências adequadas para o efeito devem ser tomadas imediatamente após a conclusão da instalação quer as instalações estejam ocupadas ou não. Geralmente deve ser feito um acordo entre o dono de obra ou utilizador e o fabricante, fornecedor ou outra entidade competente para inspeção, assistência técnica e reparação. O acordo deve especificar as formas de ligação adequadas para providenciar o acesso às instalações e o prazo no qual o equipamento deve ser reposto em condições de funcionamento após uma avaria. O nome e o número de telefone da empresa de assistência técnica devem estar afixados de modo proeminente na CDI."


Com mais de 20 anos no mercado, o GrupoSAFETY® conta com uma equipa de técnicos de sistemas que realizam todas as ações de manutenção corretivas e preventivas em conformidade com o determinado na Nota Técnica 12 da ANEPC (Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil).